* Leite falsificado – soda cáustica (NaOH) e água oxigenada (H2O2)


leite

Retirado do site da polícia federal: http://www.apcf.org.br/%C3%81reaAberta/Not%C3%ADcias/tabid/233/ctl/Details/mid/610/ItemID/653/Default.aspx

Peritos encontraram mistura proibida

Durante a operação “Ouro Branco”, agentes e peritos técnicos da Polícia Federal, bem como do Ministério da Agricultura, fizeram levantamentos e perícias na sede da Copervale. Entre os produtos encontrados estavam aproximadamente mil litros da mistura supostamente proibida, pronta para ser misturada ao leite, bem como grande quantidade de soda cáustica, também utilizada na limpeza dos equipamentos. Tudo foi lacrado pelos peritos.

A princípio o leite desnatado e o de saquinho não teriam sido alvos da fraude, devido aos diferentes métodos de produção. Mesmo assim foram recolhidas amostras de todos os produtos, inclusive derivados, como queijos, manteiga e doce de leite, que serão encaminhadas ao Instituto Nacional de Criminalística, em Brasília, e para o Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro), em Pedro Leopoldo (MG). Os resultados devem ficar prontos em cerca de uma semana e devem apontar detalhadamente quais as proporções de cada produto misturado ao leite. “Existem dúvidas sobre a propriedade de consumo”, explicou o promotor João Davina, que vai aguardar as análises para decidir se os estoques de leite podem ou não serem liberados para venda. Ele também deixou claro que vai agir de acordo com o interesse público, inclusive quanto a eventuais ações que possam surgir, através de pessoas que se sentirem lesadas, devido aos produtos fraudados já consumidos.

Ainda existe dúvida sobre os males que tais substâncias misturadas ao leite podem causar ao organismo, mas há suspeita inclusive de que propicie o surgimento de câncer em longo prazo, mas apenas os novos exames poderão esclarecer. Para o promotor, tanto os cooperados quanto os consumidores são vítimas da situação.

Fonte: Hedi Lamar Marques
Jornal da Manhã

Presa quadrilha acusada de adulterar leite

Grupo usava produtos como água oxigenada para aumentar o prazo de validade do produto, 
segundo a Polícia Federal. Dos 27 detidos, 26 são ligados a duas cooperativas mineiras; 
PF determina a coleta e a análise de amostras em outros Estados

A Polícia Federal prendeu ontem 27 pessoas suspeitas de adulterar leite longa vida integral de várias marcas. A quadrilha, segundo a PF, usava produtos impróprios para o consumo, como água oxigenada e citrato de sódio, para aumentar o prazo de validade do produto.

As prisões ocorreram nas cidades mineiras de Uberaba e de Passos. Dos detidos, 26 são ligados a duas cooperativas, que produziam cerca de 400 mil litros diários de leite (a produção nacional é de 68,5 milhões de litros por dia). O outro é do Ministério da Agricultura.

Entre os presos está um químico de Batatais (353 km de SP), que, segundo a PF, criou a fórmula usada pela cooperativa de Uberaba. O órgão diz que outras cooperativas do país podem usar o mesmo método.

A Direção Geral da PF determinou que sejam recolhidas amostras de leite em comércios locais para detectar se há irregularidades em mais Estados. Segundo o delegado-chefe da PF em Uberaba, Davidson José Chagas, funcionários da Casmil (Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro), de Passos, e Copervale (Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande), de Uberaba, confirmaram a adição de produtos nocivos à saúde no leite.

Na Copervale, a PF apreendeu cerca de mil litros de uma solução aquosa que seria misturada ao leite. A cada litro de leite, cerca de 8% era constituído dessa mistura (água oxigenada, soda cáustica, ácido cítrico, citrato de sódio, sal e açúcar). A fórmula foi para análise.

A professora-doutora Mirna Lúcia Gigante, que estuda a área de tecnologia de leite e derivados na Unicamp, afirma que a mistura possivelmente foi usada para conservar e para aumentar o volume do leite.

Ela cita o citrato de sódio, cujo uso é permitido na fabricação do leite longa vida, e que atua como um conservante.

Mirna diz que outros componentes da mistura podem ter a função de mascarar a adição dos componentes ou manter o PH semelhante ao do leite “puro” para que a indústria não perceba que está comprando um leite modificado.

Edson Credidio, diretor da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia), afirma que a água oxigenada tem um papel muito potente contra “bactérias anaeróbias” (que não utilizam oxigênio ) e que poderia ser usada para camuflar contaminantes bacterianos.

A PF investiga a fraude há quatro meses, acompanhada dos Ministérios Públicos Federal e Estadual, a partir de denúncias. Amostras do leite foram analisadas pelo Ministério da Agricultura.

“O laboratório verificou alta alcalinidade e baixa acidez. O laudo diz que os produtos analisados são impróprios para o consumo humano”, diz Chagas.

Segundo ele, um outro laudo que deve indicar a quantidade dos produtos encontrados e possíveis efeitos na saúde ainda não foi entregue à PF.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) diz que vai, preventivamente, monitorar as indústrias que utilizam leite dessas cooperativas.

A gerente de Vigilância em Alimentos da Secretaria da Saúde do Estado, Cláudia Parma, afirma que o departamento não foi notificado para recolher os produtos do mercado.

Segundo ela, o consumidor que sentir alterações na textura ou odor do leite deve comunicá-las à Vigilância Sanitária de cada município mineiro.

A PF afirma também que ao menos três fabricantes compravam o produto das duas cooperativas: Parmalat, Calu e Centenário. O órgão diz que não sabe para onde esse leite era enviado e vendido.

Os investigados deverão responder por crimes de falsificação e adulteração de produto alimentício e formação de quadrilha. As penas podem chegar a até oito anos de reclusão.

Leite não tem substâncias ilegais, diz empresa
Para Cooperativa, exames periódicos nunca constataram irregularidades

O conselheiro fiscal da Casmil (Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro) -uma das investigadas na operação da Polícia Federal-, Emerson de Carvalho, afirmou que a cooperativa realiza exames periódicos no leite produzido pela empresa e que nunca foi constatada nenhuma irregularidade com a qualidade do produto.

“Estamos aguardando a nova análise das amostras recolhidas pela Polícia Federal”, disse ele ontem. Carvalho disse que a cooperativa, que tem sede em Passos, recebe leite de cerca de 2.000 pequenos produtores da região e que não utiliza substâncias ilegais.

“Vendemos parte de nossa produção para grandes empresas, como Parmalat, e industrializamos outra parte para venda”, disse Carvalho.

“Nossos compradores também possuem um alto nível de controle de qualidade, e nunca recebemos reclamação. Por isso temos que aguardar a contraprova”, afirmou Carvalho.

A Folha localizou o advogado da Copervale (Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande), de Uberaba, Paulo Pimenta, mas ele disse que estava em uma reunião e não poderia falar com a reportagem. A sede da cooperativa estava fechada na tarde de ontem. À noite, dirigentes e funcionários das duas cooperativas ainda prestavam depoimento à PF.

Fonte: PAULO PEIXOTO e RENATA BAPTISTA
AGÊNCIA FOLHA

Longa vida à base de soda cáustica e água oxigenada

OURO BRANCO – PF fecha cooperativas e recolhe amostras de leite em todo país

A Polícia Federal analisa amostras de leite vendido em todo o país depois da ação que descobriu ontem contaminação no produto que era comercializado para os Estados de Minas Gerais, Goiás e São Paulo. A Operação Ouro Branco prendeu 27 pessoas ligadas a duas cooperativas nas cidades mineiras de Uberaba e Passos. Para aumentar o volume e o tempo de conservação, eram adicionadas ao leite longa vida substâncias como água oxigenada e soda cáustica.

A suspeita da PF é que a técnica tenha sido negociada e repassada a outras produtoras. Segundo os agentes federais, foram apreendidas notas fiscais de venda do leite da Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil) e da Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande (Coopervale) para grandes empresas alimentícias, como as multinacionais Nestlé e Parmalat. Em nota, as empresas dizem não haver riscos no consumo de seus produtos.

Participaram da operação, além dos agentes da PF, promotores do Ministério Público Estadual e Federal. A fraude foi descoberta devido a denúncias de outras cooperativas e de ex-funcionários das empresas. Depois das denúncias, amostras de leite industrializado comprado das cooperativas foram analisadas.

- Foi constatado um nível de substâncias alcalinas acima do normal, o que torna o leite impróprio para consumo humano – contou o delegado Ricardo Ruiz da Silva, um dos coordenadores da Ouro Branco.

Nas sedes das cooperativas, os policiais apreenderam tonéis com substâncias usadas para batizar o leite. A Coopervale e a Casmil produziam 450 mil litros de leite por dia.

Técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – que ajudaram a PF nas análises – vão realizar novos testes com o leite recolhido. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária prefere esperar o resultado dos exames laboratoriais para decidir pela retirada ou não de produtos lácteos do mercado.

Fonte: Kayo Iglesias
Jornal do Brasil

27 presos por fraudar leite

A Polícia Federal (PF) prendeu ontem 27 pessoas e desarticulou um esquema de crimes contra a saúde pública por meio da adição de substâncias químicas não permitidas ao leite longa vida, o que o tornava impróprio para consumo. Conforme as investigações do Ministério Público Federal (MPF), a Cooperativa dos Produtores de Leite do Vale do Rio Grande (Coopervale), em Uberaba, e a Cooperativa Agropecuária do Sudoeste Mineiro (Casmil), em Passos, são suspeitas de acrescentar ao leite soda cáustica (hidróxido de sódio) e água oxigenada (peróxido de hidrogênio).

As substâncias, de acordo com a PF, eram diluídas em água junto com outras, como citrato de sódio e ácido cítrico numa proporção de 10% do total, e usadas para aumentar a longevidade do produto, reduzindo sua acidez. O MPF alertou que as substâncias, se utilizadas em desacordo com os parâmetros químicos indicados, podem se transformar em poderosos agentes cancerígenos

Como parte da Operação Ouro Branco, foi determinado o recolhimento de amostras de leite longa vida em todo o País. Segundo a PF, notas apreendidas mostram que o produto adulterado era revendido pelas cooperativas para empresas como Parmalat e Calu, entre outras, que comercializavam o produto em embalagens próprias em todo território brasileiro. Procuradas pela reportagem, a Parmalat e a Calu negaram em nota adquirir leite dessas cooperativas.

Não há como, hoje, recolher todo produto que está no mercado porque as empresas recebem leite de várias cooperativas. Não há como saber, sem antes fazer uma análise, se o leite que está sendo vendido é impróprio para o consumo humano, observou o procurador Carlos Henrique Dumont.

A produção diária das cooperativas chegava a 400 mil litros (250 mil da Casmil e 150 mil da Coopervale). As Promotorias de Defesa do Consumidor em Uberaba e Passos determinaram a suspensão da produção e a apreensão dos estoques de leite de ambas. Dependendo das novas análises, a decisão pode ser mais abrangente, disse o promotor Cristiano Cassiolato referindo-se a uma eventual medida que leve à retirada de produtos das prateleiras.

Prisões. A PF informou no início da noite que cumpriu todos os 27 mandados de prisão temporária e realizou buscas e apreensões em diversos endereços nas cidades do Triângulo Mineiro e no sul do estado.

Entre os presos estão dirigentes da Coopervale e da Casmil apontados como possíveis chefes do esquema e funcionários das cooperativas. Em Passos, a PF vasculhou fábrica escritório e a residência do presidente da Casmil, Dácio Francisco Delfraro, que foi preso. Um químico responsável pela fórmula da substância também foi preso. Os nomes dos outros presos não foram divulgados.

Os agentes federais prenderam também dois funcionários do Serviço de Inspeção Federal responsáveis pela fiscalização das cooperativas em Passos e Uberaba. Obrigatoriamente ele (o fiscal) está dentro da empresa, acompanhando essa produção. Esse fiscal não tem como alegar que não sabia que o leite estava sendo adulterado, disse o delegado Willian Nascimento.

A estimativa do chefe da PF em Passos, Davidson Chagas, é de que os crimes eram praticados havia pelo menos dois anos.

Fonte: Eduardo Kattah
Agência Estado

27 PRESOS POR MISTURAR LEITE COM SODA CÁUSTICA

A Polícia Federal prendeu 27 pessoas suspeitas de adulterar leite longa vida integral usando soda cáustica e água oxigenada para aumentar o prazo de validade do produto. As duas substâncias utilizadas fora dos parâmetros químicos são cancerígenas. As cooperativas mineiras Coopervale e Casmil são suspeitas. Elas vendiam 400 mil litros de leite por mês para empresas de todo o País. A Associação de Supermercados aguarda informações para saber se o leite entrou no mercado baiano | ECONOMIA | PÁGINA 15

A doutora em ciências dos alimentos e professora da Universidade Federal da Bahia Maria Spínola Miranda alerta que o peróxido de hidrogênio (água oxigenada) pode acarretar males à flora intestinal, principalmente das crianças. Ingerido em grandes quantidades, pode causar ainda esofagite e gastrite. A substância danifica a membrana das células do estômago, provocando úlcera e erosão das paredes do órgão. Dependendo de sua concentração, pode até matar o consumidor.

Fonte: A Tarde/BA

14 Respostas para “* Leite falsificado – soda cáustica (NaOH) e água oxigenada (H2O2)

  1. Fala careca! =D
    Beeeeem legal o post!
    Agora é só tomar cuidado com as marcas de leite longa (ou nao) vida.

    Abraços

  2. … será que só tendo uma vaquinha no pátio de casa pra garantir o meu nescau antes de dormir???

  3. parmalat em garrafa tb ta fudida com essa porcaria de leite falsificado?

  4. nossa q absurdo
    va se cata quem fez isso!!!!!
    quem sera pois soda e agua oxigenada no leite ??????
    quem fez isso um dia vai pagar!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    QUE ABSURDO!!!!

  5. Gosteei mto mto da matéria. Precisava fazer um trabalho de Química e fko show mxm!!
    Vlw aii!

    PS: A PROF.ª FALOU QE DEVEM TER PAGO MTO CARO PRA ESSE QUIMICO PORQUE CONSERTEZA ELE ERA FORMADO E COM TUDO ISSO PERDEU TODO EXFORÇO DELE!!

  6. Claudia Silva Andrade

    Olá! Sou estudante de Química e trabalho em um laticínio,a matéria foi muito oportuna, pois realizamos as análises no leite cru e as vezes percebemos que há fraudes no leite, mas algumas são bem difíceis de detectar. Quem fraudea o leite não tem consciência !
    Abraços
    Claudia Silva Andrade

  7. Jhone faleiro milani

    Mais é em todos os leites?

  8. Pingback: Os números de 2010 « Hebert Sato

  9. A imprensa deveria falar claramente as marcas que foram adulterada, pra que nos maes nao alimentasse nossos filhos com venenos como esses leites.

  10. O leite com essa mistura da gosto de sabão?

  11. leonardo henrique

    isso é uma vergonha e quem fez ou ainda faz nao tem carater

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s